Estabilidade dimensional de modelos obtidos com poliéter e silicone de adição após desinfecção com ácido peracético e hipoclorito de sódio

Frederico Emygdio Cabral de Vasconcellos, Rafael Ferrone Andreiuolo, Carlos Eduardo Sabrosa, Maximiliano Piero Neisser, Marcos Augusto do Rego

Resumo


Este estudo buscou comparar a estabilidade dimensional de modelos após moldagem com poliéter (P), silicone de adição espatulado mecanicamente (SAP) e manualmente (SAM), desinfetados com hipoclorito de sódio 1% (HP), ácido peracético 0,2% (AP) e sem desinfecção. Foram feitas mensurações cruzando o arco posterior (CAP) e anterior (CAA), ântero-posterior direita (APD) e esquerda (APE). A análise estatística (Kruskal-Wallis) mostrou que houve diferença significativa apenas na medida CAP: 1) entre P (0,1203% ± 0,0442) e SAP (0,0350% ± 0,0158) desinfetados com HP; 2) entre P (0,1345% ± 0,1059) e SAP (0,0264% ± 0,0302) desinfetados com AP; 3) entre os grupos SAM (0,1054% ± 0,0419) e SAP (0,0264% ± 0,0302). A desinfecção com ácido peracético e hipoclorito de sódio não interferiu negativamente na estabilidade dimensio-nal das moldagens realizadas neste estudo.

Palavras-chave


Materiais de moldagem; Desinfecção; Ácido peracético; Hipoclorito de sódio.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18363/rbo.v69n1.p.55

Direitos autorais 2016 Revistas

e-ISSN: 1984-3747

Licença Creative Commons A Revista Brasileira de Odontologia está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional